Mesmo depois de anunciar reajuste, Petrobrás não sobe preço do diesel

12/04/2019
Fonte: O Estado de São Paulo
Estatal havia divulgado que elevaria o preço do litro de R$ 2,1432 para R$ 2,2662, uma alta de 5,7%
Mesmo tendo anunciado, nesta quinta-feira, 11, um reajuste de 5,7% no preço do diesel (o litro passaria de R$ 2,1432 para R$ 2,2662), a Petrobrás não alterou o preço do combustível, segundo informações divulgadas na página da estatal na internet. O novo valor começaria a ser cobrado nesta sexta-feira.
Se fosse efetuada, a alta divulgada na quinta-feira seria a maior desde que os presidentes da República, Jair Bolsonaro, e da petroleira, Roberto Castello Branco, assumiram os cargos. Até então, a maior alta tinha sido de 3,5%, registrada no dia 23 de fevereiro. Com exceção desses dois casos, os preços variaram em intervalos de 1% a 2,5%.
Num único dia, nesta sexta-feira, o valor do litro do combustível iria variar mais do que em todo o mês de fevereiro (5%), quando passou de R$ 2,0198 para R$ 2,1224, e março (1%), de R$ 2,1224 para R$ 2,1432. Apenas em janeiro a variação foi maior, de 8,9%, de R$ 1,8545 para R$ 2,0198. Os valores, que representam uma média do que é cobrado nos pontos de entrega de todo País, foram retirados do site da companhia.
Reajustes
Em março, a Petrobrás se comprometeu a congelar o preço do óleo diesel nas refinarias por pelo menos 15 dias. Por causa da política de preços dos combustíveis da Petrobrás, os caminhoneiros pararam o País, em maio do ano passado. Neste início de ano, com o petróleo em alta, o diesel voltou a ser uma ameaça e mais uma vez a classe avalia cruzar os braços.
O problema começou ainda na gestão do ex-presidente da companhia Pedro Parente que, para recompor o caixa, determinou a revisão diária da tabela nas refinarias, em linha com o mercado internacional. Sem saber o preço que pagaria pelo combustível no fim de uma viagem, os caminhoneiros entraram em greve e Parente perdeu o cargo. Além disso, para encerrar os protestos, o governo ainda subsidiou por um semestre. Apenas em 2019, o diesel voltou a ser reajustado periodicamente, semanalmente. Nesta terça, sob ameaça de nova greve, a Petrobrás anunciou que vai manter os preços inalterados por, pelo menos, mais uma semana.

Compartilhe esta notícia

Já sou cadastrado no site


esqueci minha senha

ou

Não tenho cadastro no site


Se você já é sócio do Sincopetro e não tem acesso a área restrita deste site, cadastre sua senha.





Newsletter


cadastre-se para receber nossa newsletter





Sincopetro Vídeos


Sincopetro e Procon/SP unidos por um mercado mais saudável para os revendedores